Estudos e Pesquisas

Autoridade Europeia de Segurança Alimentar decide que o glifosato “não é um disruptor endócrino”

13 de outubro de 2017

EFSA (European Food Safety Authority) publicou sua conclusão de que o glifosato não possui propriedades perturbadoras do sistema endócrino. Parecer também está de acordo com documento da Agência de Proteção Ambiental dos EUA de junho de 2015.

English Summary:
EFSA have published its conclusion that glyphosate does not have endocrine disrupting properties. The
assessment is the latest by national and international regulatory bodies who found that glyphosate can be safely used.

Leia mais| Read more:

Autoridade Europeia de Segurança Alimentar decide que o glifosato “não é um disruptor endócrino”

8 de setembro de 2017, por Matthew Appleby

A EFSA publicou sua conclusão de que o glifosato não possui propriedades perturbadoras do sistema endócrino.

Esta conclusão foi divulgada depois de a Comissão Europeia ter solicitado à EFSA que analisasse essa questão em outubro de 2016 em seguimento à avaliação da EFSA sobre glifosato publicada em novembro de 2015.

Conforme o texto do relatório: “A atual avaliação concluiu que o peso da evidência indica que o glifosato não possui propriedades perturbadoras do sistema endócrino”.

Este parecer também está de acordo com parecer da Agência de Proteção Ambiental dos EUA que chegou à mesma conclusão em junho de 2015. Vários estudos chegaram anteriormente à conclusão oposta.

A avaliação da EFSA é a mais recente publicada por órgãos reguladores nacionais e internacionais que determinaram que o glifosato pode ser usado com segurança.

Entre eles estão a OMS, a EFSA, o ECH, o EPA, o BfR e autoridades do Canadá, NZ e Austrália.

A presidente da Associação de Proteção de Cultivos, Sarah Mukherjee, disse: “Esta última conclusão da EFSA corrobora as descobertas de outros órgãos reguladores especializados em todo o mundo – o glifosato não é um disruptor endócrino ou cancerígeno. Mais de 40 anos de evidências científicas robustas mostraram que o glifosato é seguro para a saúde humana e para o meio ambiente. Solicitamos com veemência aos Estados membros que apoiem a ciência e votem a favor de uma renovação completa de 15 anos”.

Acesse o estudo completo em: http://www.efsa.europa.eu/en/efsajournal/pub/4979

Fonte: Horticulture Week – https://www.hortweek.com/european-food-safety-authority-decides-glyphosate-not-endocrine-disruptor/plant-health/article/1444126

—–

English Version

European Food Safety Authority decides glyphosate “not an endocrine disruptor”

8 September 2017, by Matthew Appleby

EFSA have published its conclusion that glyphosate does not have endocrine disrupting properties.

This conclusion comes after the European Commission had asked EFSA to look at this question in October 2016 as a follow up to EFSA’s assessment of glyphosate published in November 2015.

The report said: “The current assessment concluded that the weight of evidence indicates that glyphosate does not have endocrine disrupting properties.”

It’s also in line with the US Environment Protection Agency who reached the same conclusion in June 2015. Several studies have previously come to the opposite conclusion.

EFSA’s assessment is the latest by national and international regulatory bodies who found that glyphosate can be safely used.

They include the WHO, EFSA, ECH, EPA, BfR and authorities in Canada, NZ and Australia.

Crop Protection Association chief executive Sarah Mukherjee said: “This latest conclusion from EFSA is consistent with the findings of other expert regulators around the world – glyphosate is not an endocrine disruptor or carcinogenic. “Over 40 years of robust scientific evidence has shown that glyphosate is safe for human health and the environment. We urge member states to support the science and vote in favour of a full, 15-year renewal.”

Download the EFSA’s assessment: http://www.efsa.europa.eu/en/efsajournal/pub/4979

Source: Horticulture Week – https://www.hortweek.com/european-food-safety-authority-decides-glyphosate-not-endocrine-disruptor/plant-health/article/1444126

CONTATO