Glifosato e Saúde

O Código Internacional de Conduta da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) para a Distribuição e Uso de Pesticidas estabelece os princípios de gestão de produtos que são necessários a fim de proteger a saúde humana e o meio ambiente, e ao mesmo tempo obter a melhor produtividade, a sustentabilidade e a subsistência dos agricultores. Dentre os princípios de gestão destacam-se a minimização de riscos, a maximização de benefícios, a manutenção da qualidade da água, a melhor forma de comunicação possível sobre eventuais riscos, formas de mitigação dos mesmos e o seu gerenciamento.

Tal como acontece com todas as atividades humanas, as práticas agrícolas (incluindo o uso de herbicidas) têm o potencial de impactar o meio ambiente. A minimização do potencial de exposição dos locais não-alvo e dos organismos não-alvo associados apresenta desafios. Para lidar com esses desafios, uma ampla gama de estudos toxicológicos, ambientais e agronômicos vem sendo realizados a respeito do glifosato para observar quaisquer efeitos potencialmente negativos.

O uso do glifosato no controle de plantas daninhas no sistema agrícola é eficaz com uma excelente relação custo-benefício, fazendo dele um dos produtos mais utilizados no mundo e permitindo ainda a ampliação dos diferentes sistemas de produção agrícola.

É de vital importância a proteção da água, quando se usa um defensivo para a produção agrícola. Sabe-se que o glifosato apresenta forte ligação às partículas do solo e à matéria orgânica, sendo rapidamente metabolizado por micro-organismos, minimizando os riscos de contaminação.

Todas as informações obtidas são refletidas nos rótulos e nas bulas dos produtos e também utilizadas para desenvolver diretrizes, boletins informativos e programas que visam promover as melhores práticas em relação ao seu uso.

Programas de treinamentos desempenham um papel importante no aconselhamento e na educação dos técnicos e dos agricultores sobre as melhores práticas de uso, entre as quais, como, transportar, preparar a calda, aplicar a dose correta, utilizando a melhor tecnologia de aplicação para minimizar o impacto em áreas não alvo, até o correto descarte da embalagem e lavagem dos equipamentos de aplicação.

A gestão do uso dos defensivos agrícolas, incluindo o glifosato, está ligada ao uso responsável e ético ao longo de todo seu ciclo de vida, exigindo que todas as partes interessadas, desde o fabricante até o usuário final tomem medidas para minimizar qualquer impacto potencial sobre a saúde humana ou o meio ambiente.